O que é tabagismo?

Voltar

O ato de fumar é a dependência química mais poderosa que atinge a humanidade. O consumo de fumo de tabaco – em quaisquer de suas formas: cigarro, charuto, cachimbo, rapé, rolo, narguilé, etc. – é responsável pela perda precoce de 1,3 milhões de vidas a cada ano no mundo, devido às doenças atribuídas às substâncias presentes no tabaco, dentre elas os temíveis infartos do miocárdio, derrame cerebral, doença pulmonar obstrutiva crônica e câncer no pulmão e em outros órgãos, dentre outras 55 doenças já reconhecidas.

A Organização Mundial da Saúde classifica o tabagismo como uma doença, recebendo o código CID-10: F 17.2, com características de se desenvolver ainda na juventude (doença pediátrica), ser crônica, ser recidivante (sujeita a várias recaídas até a pessoa parar definitivamente), ser tratável (é possível se livrar do tabaco) e ser evitável (é possível prevenir o seu uso).

O tabagismo é considerado uma pandemia, pois não poupa nenhum país, etnia ou classe social, mesmo os nossos povos indígenas e os aborígenes australianos fumam. Todavia, esta situação é desigual, pois enquanto tem caído o consumo nas camadas de maior renda e acesso às informações e serviços de saúde, as camadas mais pobres da população, nos menos escolarizados, nos que vivem no meio rural e, nas mulheres, está se concentrando a maior prevalência de fumantes, o que é muito grave.

No Brasil, as campanhas de saúde pública, a proibição da publicidade de tabaco nos meios de comunicação, o aumento dos tributos e preços do tabaco, as leis que protegem a população dos efeitos da fumaça do tabaco (ambientes livres de tabaco), e a oferta de tratamento gratuito na rede pública, a partir de 2004, dentre outras medidas preconizadas pela Convenção-Quadro Mundial para o Controle do Tabaco, têm produzido efeitos e avanços no controle desta pandemia.

Atualmente o número de fumantes no Brasil caiu bastante, ficando entre 15 e 17% da população maior de 15 anos segundo dados oficiais, do VIGITEL (2009) e do PETAB-IBGE (2008), respectivamente.

Ainda assim, há 24,6 milhões de fumantes no Brasil que precisam ser aconselhados, orientados e tratados para deixarem de fumar, um grande desafio para nós, médicos, e para toda a sociedade e governo brasileiro.

E você sabe por quê?

No Brasil, morrem 23 pessoas por hora devido às doenças causadas pelo tabagismo ativo e outras 7 pessoas por dia devido às doenças provocadas pelo tabagismo passivo.

Isto representa um custo elevado para toda a sociedade, para a família e para o estado brasileiro, pois um elevado montante de recursos são gastos com tratamentos das doenças provocadas pelo fumo, além das incapacidades e mortes, que levam a cobertura também da seguridade social.

Mas doutor é possível mudar este panorama?

Sim, com certeza, identificando os riscos, se conscientizando da importância de fazer uma ou quantas tentativas forem necessárias para deixar de fumar e procurando ajuda médica, você poderá virar esta página da sua história, se tornando ex-fumante e, ao mesmo tempo dando um exemplo e modelo de comportamento para os seus filhos, netos e amigos.

Importante: só a indústria do fumo lucrou este ano no Brasil 16 Bilhões com a produção e venda dos cigarros. Enquanto isso, você perde aos poucos a sua vitalidade e, se reclamar mais tarde na justiça, eles irão se defender dizendo que você fuma “porque quer”, que tem o livre-arbítrio para deixar de fumar. Claro que é uma mentira, eles fisgaram você usando todas as artimanhas com campanhas sedutoras.

Fonte: Sociedade Brasileira de Pneumologia

Porque parar de fumar?

Sua saúde em primeiro lugar, o cigarro é um veneno para o organismo, e nosso tratamento pode lhe auxiliar nessa batalha. pré avaliação clínica